Pular para o conteúdo principal

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital - Preservar para garantir o acesso

(CONARQ - Conselho Nacional de Arquivos)

Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados, vem constituindo um novo tipo de legado: o patrimônio arquivístico digital;

Considerando que este patrimônio arquivístico digital se encontra em perigo de desaparecimento e de falta de confiabilidade, e que sua preservação em benefício das gerações atuais e futuras é uma preocupação urgente no mundo inteiro;

Considerando que a Carta para a Preservação do Patrimônio Digital da UNESCO manifesta a necessidade de os Estados membros, incluindo o Brasil, estabelecerem políticas e ações para proteger o patrimônio digital;

Considerando que o Conselho Internacional de Arquivos estabeleceu entre seus princípios que os arquivos devem facilitar o estabelecimento de políticas, procedimentos, sistemas, normas e práticas que levem os produtores de documentos a criar e manter documentos arquivísticos fidedignos, autênticos, preserváveis e acessíveis;

Considerando que o Conselho Nacional de Arquivos tem por finalidade definir a política nacional de arquivos públicos e privados e exercer orientação normativa visando à gestão documental e à proteção especial aos documentos de arquivo, independente do suporte em que a informação está registrada;

O Conselho Nacional de Arquivos, em sua 34ª reunião plenária, realizada em 6 de julho de 2004, no Rio de Janeiro, aprova a presente Carta.

As organizações públicas e privadas e os cidadãos vêm cada vez mais transformando ou produzindo documentos arquivísticos exclusivamente em formato digital, como textos, bases de dados, planilhas, mensagens eletrônicas, imagens fixas ou em movimento, gravações sonoras, material gráfico, sítios da internet, dentre muitos outros formatos e apresentações possíveis de um vasto repertório de diversidade crescente.

As facilidades proporcionadas pelos meios e tecnologias digitais de processamento, transmissão e armazenamento de informações reduziram custos e aumentaram a eficácia dos processos de criação, troca e difusão da informação arquivística. O início do século XXI apresenta um mundo fortemente dependente do documento arquivístico digital como um meio para registrar as funções e atividades de indivíduos, organizações e governos.

Os documentos arquivísticos são gerados e mantidos por organizações e pessoas para registrar suas atividades e servirem como fontes de prova e informação. Eles precisam ser fidedignos e autênticos para fornecer evidência das suas ações e devem contribuir para a ampliação da memória de uma comunidade ou da sociedade como um todo, vez que registram informações culturais, históricas, científicas, técnicas, econômicas e administrativas.

A eficácia de um documento arquivístico depende da qualidade e do rigor dos procedimentos de produção e manutenção realizados pelas organizações produtoras de documentos. Entretanto, como a informação em
formato digital é extremamente suscetível à degradação física e à obsolescência tecnológica – de hardware, software e formatos –, essas novas facilidades trazem conseqüências e desafios importantes para assegurar sua integridade e acessibilidade. A preservação dos documentos arquivísticos digitais requer ações arquivísticas, a serem incorporadas em todo o seu ciclo de vida, antes mesmo de terem sido criados, incluindo as etapas de planejamento e concepção de sistemas eletrônicos, a fim de que não haja perda nem adulteração dos registros. Somente desta forma se garantirá que esses documentos permaneçam disponíveis, recuperáveis e compreensíveis pelo tempo que se fizer necessário.

A preservação de documentos arquivísticos tem por objetivo garantir a autenticidade e a integridade da informação, enquanto o acesso depende dos documentos estarem em condições de serem utilizados e compreendidos. O desafio da preservação dos documentos arquivísticos digitais está em garantir o acesso contínuo a seus conteúdos e funcionalidades, por meio de recursos tecnológicos disponíveis à época em que ocorrer a sua utilização. Assim, é importante alertar os governos, as organizações públicas e privadas, as instituições de ensino e pesquisa e todos os setores da sociedade brasileira comprometidos com a inclusão informacional para os seguintes problemas:

  • Dependência social da informação digital
O governo, a administração pública e privada, a pesquisa científica e tecnológica e a expressão cultural dependem cada vez mais de documentos digitais, não disponíveis em outra forma, para o exercício de suas atividades. 
  • Rápida obsolescência da tecnologia digital 
A preservação de longo prazo das informações digitais está seriamente ameaçada pela vida curta das mídias, pelo ciclo cada vez mais rápido de obsolescência dos equipamentos de informática, dos softwares e dos formatos.

  • Incapacidade dos atuais sistemas eletrônicos de informação em assegurar a preservação de longo prazo
Atualmente, não obstante os pesados investimentos em tecnologia da informação, há uma crescente debilidade estrutural dos sistemas eletrônicos de informação, que os incapacitam de assegurar a preservação de longo prazo e o acesso contínuo às informações geradas num contexto de rápido avanço tecnológico.
  • Fragilidade intrínseca do armazenamento digital
A tecnologia digital é comprovadamente um meio mais frágil e mais instável de armazenamento, comparado com os meios convencionais de registrar informações, tendo um impacto profundo sobre a gestão dos documentos digitais no presente para que se tenha garantia de acesso no futuro.
  • Complexidade e custos da preservação digital
A preservação de documentos digitais pressupõe uma constante atualização de suporte e de formato, além de estratégias para possibilitar a recuperação das informações, que passam pela preservação da plataforma de hardware e software em que foram criados, pela migração ou pela emulação. Estas são algumas iniciativas que vêm sendo tomadas, mas que não são ainda respostas definitivas para o problema da preservação de longo prazo. Não há soluções únicas e todas elas exigem investimento financeiro elevado e contínuo em infra-estrutura tecnológica, pesquisa científica aplicada e capacitação de recursos humanos. 
  • Multiplicidade de atores envolvidos
A preservação da informação em formato digital não se limita ao domínio tecnológico, envolve também questões administrativas, legais, políticas, econômico-financeiras e, sobretudo, de descrição dessa informação através de estruturas de metadados que viabilizem o gerenciamento da preservação digital e o acesso no futuro. Desta forma, preservar exige compromissos de longo prazo entre os vários segmentos da sociedade: poderes públicos, indústria de tecnologia da informação, instituições de ensino e pesquisa, arquivos e bibliotecas nacionais e demais organizações públicas e privadas. 

Reconhecida a instabilidade da informação arquivística digital, é necessário o estabelecimento de políticas públicas, diretrizes, programas e projetos específicos, legislação, metodologias, normas, padrões e protocolos que minimizem os efeitos da fragilidade e da obsolescência de hardware, software e formatos e que assegurem, ao longo do tempo, a autenticidade, a integridade, o acesso contínuo e o uso pleno da informação a todos os segmentos da sociedade brasileira. Isto só será possível se houver uma ampla articulação entre os diversos setores comprometidos com a preservação do patrimônio arquivístico digital, e em cooperação com os organismos nacionais e internacionais.

Desta forma, manifestamos a importância das instituições arquivísticas, do poder público, da indústria de tecnologia da informação e comunicação e das instituições de ensino e pesquisa, implementarem ações, especialmente no que concerne a:

      1.  Elaboração de estratégias e políticas
  • Gestão arquivística de documentos
Definir procedimentos e estratégias de gestão arquivística de documentos quando da criação, transmissão e preservação de documentos em formatos digitais, com o objetivo de garantir a produção e manutenção de documentos fidedignos, autênticos, acessíveis, compreensíveis e preserváveis.
  • Instrumentalização dos arquivos
Orientar quanto à criação de infra-estrutura nas instituições arquivísticas e nas organizações produtoras e acumuladoras de documentos, no que concerne a equipamentos, sistemas, metodologias e recursos humanos capacitados, para que possam desempenhar um papel ativo na gestão da preservação dos documentos digitais.

  • Governo eletrônico
Promover a participação de representantes das instituições arquivísticas nos projetos de governo eletrônico, para a definição de estratégias, padrões e normas de gestão, preservação e acesso a documentos e informações, conforme orientação do Conselho Internacional de Arquivos e da UNESCO.
  • Ações cooperativas
Incentivar programas cooperativos de preservação de documentos digitais para aplicação e compartilhamento de recursos sob a forma de acordos, consórcios, convênios e parcerias.

       2. Estabelecimento de normas
  • Padrões e protocolos
Definir e/ou recomendar a utilização de padrões e protocolos abertos e de aceitação ampla na criação, uso,
transmissão e armazenamento de documentos digitais; e desenvolver soluções em cooperação com organizações de pesquisa e a indústria de tecnologia da informação e comunicação.
  • Requisitos funcionais
Definir os requisitos funcionais e estimular sua adoção para orientar o desenvolvimento e a aquisição de sistemas eletrônicos de gestão arquivística, que sejam adequados às especificidades da legislação e das práticas arquivísticas brasileiras.
  • Metadados
Definir estruturas padronizadas de metadados e determinar a sua utilização nos sistemas eletrônicos de gestão arquivística, com o propósito de gerir a preservação e a acessibilidade dos documentos digitais.
  • Segurança da informação digital
Definir política de segurança da informação, que considere os aspectos legais, organizacionais, humanos e tecnológicos, de modo a garantir a autenticidade dos documentos digitais e o sigilo da informação, bem como a proteção contra perdas, acidentes e intervenções não autorizadas.

        3. Promoção do conhecimento

  • Agenda de pesquisa
Desenvolver uma agenda nacional de pesquisa para a preservação e longevidade dos documentos digitais, alinhada com as principais iniciativas nacionais e internacionais, com a participação das agências governamentais de fomento e de amparo à pesquisa, universidades e outras entidades dos setores público e privado.
  • Ensino e formação de recursos humanos
Estimular a inserção do tema Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital na formação dos profissionais de informação, especialmente dos arquivistas, nos cursos de graduação e pósgraduação.
  • Disseminação do conhecimento
Estabelecer ações de identificação, disseminação e compartilhamento do conhecimento e a utilização de
metodologias e técnicas para a gestão e a preservação de documentos arquivísticos digitais.

O CONARQ reafirma o seu compromisso com a aplicação de políticas públicas voltadas para a preservação do patrimônio arquivístico digital, e convoca os setores públicos e privados, envolvidos com a produção e proteção especial dos documentos em formato digital, a envidarem esforços para garantir sua preservação e acesso contínuo, condição fundamental para a democratização da informação arquivística em nosso país e a preservação da memória nacional."




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista de 170 dos principais e mais notáveis Softwares Livres para Web

Ser gratuito não significa que não sejam poderosos. Muitos desses softwares têm funções superiores às encontradas em seus concorrentes pagos.

Muitos programadores contribuem para a construção de um Software Livre, compartilhando gratuitamente seu trabalho e, pedindo um auxílio às pessoas dispostas a ajudar. É isso que sustenta o movimento do Software Livre.

Também, se dedicam inteiramente à criar design diferenciado desses softwares de código aberto, sob demanda de empresas, pessoas e instituições que agora se tornam seus clientes. Outros, criam módulos e componentes à esses softwares, com funções específicas de determinado tipo de atividade de um empresa ou instituição, cobrando então pelo seu trabalho, que agora depende da aplicação principal que ele ajudou a desenvolver.

Esse idealismo pode criar ótimos programas. O Firefox é um dos melhores exemplos. Mas há muitos programas de código livre além dele. Conheça agora, 170 dos principais e mais notáveis Softwares Livres, construídos …

Conheça o Alfresco - Software Livre para Gestão Documental

Alfresco, é um sistema de Gestão de Documentos físicos/digitais empresarial (em inglês ECM "Enterprise Content Management") multi plataforma (Windows e Unix/Linux) de Código Aberto, desenvolvido em Java.
Muitas empresas utilizam para gestão de seus documentos, gestão de conteúdo Web e de colaboração (e-groupware). O Alfresco não é a única plataforma de ECM open source, mas para a gestão de documentos, colaboração e repositório documental, é um dois mais utilizados no mercado atualmente, implementando alta usabilidade e um modelo open source a 100%.

Atualização do ICA-AtoM - versão 1.2 para 1.3

Vídeo gravado no celular. Apresenta o procedimento realizado ao atualizar a versão 1.2 para 1.3 do software ICA-AtoM. (localhost) Ubuntu + MySql Administrator


Planejamento deve levar em conta a Gestão Documental

Escrito por Dgard Pinheiro (*)

Se o planejamento é a ciência de colocar no papel – hoje, na verdade, em sistemas computacionais – e de gerenciar todas as etapas do negócio, incluindo seus objetivos e os meios para que eles sejam atingidos, então, as empresas devem levar em conta a Gestão Documental como parte vital para o sucesso de um empreendimento. Isto porque os negócios envolvem o recebimento, envio e manuseio de uma quantidade enorme de documentos de várias origens, desde o tradicional papel, até os arquivos digitais – tais como as notas fiscais eletrônicas, fax, e-mail, documentos pessoais e formulários (estes, muito utilizados na coleta de informações em várias áreas: cadastros, escolas, pesquisas de mercado e de opinião etc).
Pode parecer que o planejamento envolve apenas a estratégia de negócios, a definição do plano de ação, a definição de produtos e serviços, preços, distribuição, marketing e divulgação. No entanto, ele vai além e deve incluir os processos de como a companhi…

Conheça o NUXEO - Software Livre para Gestão Documental

Atualizado em 16/09/2013.


          O Nuxeo é uma poderosa ferramenta de ECM (Enterprise Content Management - gestão de conteúdo empresarial) open source (código aberto), desenvolvido pela empresa francesa de mesmo nome. Nuxeo atualmente é utilizado por centenas de empresas ao redor do mundo e órgãos públicos, de médio e grande porte. No site do software é possível ver a lista de alguns usuários da ferramenta.           Nuxeo tem uma arquitetura ágil e flexível de última geração, utilizando o melhor do Java. Permite gerenciar os documentos de forma cômoda, realizando versões dos documentos, fluxos de trabalho associados aos documentos, publicação remota, busca avançada, integração com Microsoft Office e Open Office, etc.           Existe a versão open source do NUXEO, que é totalmente gratuita, e a versão "Nuxeo Studio". Esta última é um serviço diferenciado, onde há suporte 24hs por eles, manutenção do sistema, serviço de Cloud Computing (nuvem) etc. Neste caso é preciso p…

Botão para abrir formulário no LibreOffice-Base - Macros

Se você está começando a trabalhar com o Libre Office Base e não entende muito de programação, provavelmente já se deparou com a situação de não conseguir abrir um formulário a partir de um botão de pressão criado em outro formulário. Parecerá mais difícil ainda se você estiver acostumado a utilizar os assistentes do Microsoft Access.

No Libre Office Base é preciso criar uma macro para abrir um formulário a partir de um botão criado no modo desenho do formulário. Depois de criada a macro, é necessário chamar a função no evento "Ao aprovar ação" do botão.

Com o Libre Office Base aberto, vá em "Ferramentas >> Macros >> Organizar Macros >> Libre Office Basic". Na janela que aparecer, selecione "Minhas Macros >> Standards >> Module 1". Haverá um botão no menu lateral direito chamado "Editar". Clique para editar este módulo e insira a seguinte macro:

Eletrônico ou digital?

Diferença entre documento eletrônico e documento digital

Segundo a Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE) do Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ):
“Na literatura arquivística internacional, ainda é corrente o uso do termo “documento eletrônico” como sinônimo de “documento digital”. Entretanto, do ponto de vista tecnológico, existe uma diferença entre os termos “eletrônico” e “digital. Um documento eletrônico é acessível e interpretável por meio de um equipamento eletrônico (aparelho de videocassete, filmadora, computador), podendo ser registrado e codificado em forma analógica ou em dígitos binários. Já um documento digital é um documento eletrônico caracterizado pela codificação em dígitos binários e acessado por meio de sistema computacional. Assim, todo documento digital é eletrônico, mas nem todo documento eletrônico é digital. Exemplos: 1) documento eletrônico: filme em VHS, música em fita cassete. 2) documento digital: texto em PDF, planilha de cálculo em Microsoft  Ex…